17/7/2020 | BYPOR Jane Reuter

Diretor de operações na América Latina cresce movido por desafios

Brian Crouthers, diretor de operações sênior da Viasat na América Latina, construiu a sua carreira assumindo funções fora da zona de conforto. Começou aos 17 anos, quando se recusou a aceitar os postos de nível básico oferecidos a ele como novo recruta da Marinha.

Quando o oficial de alistamento disse que as únicas posições disponíveis eram auxiliar de convés e cozinheiro, Crouthers respondeu que provavelmente a Marinha não era para ele. O oficial deu mais uma olhada em seus arquivos e encontrou uma vaga para técnico em eletrônica. Embora não tivesse experiência, Crouthers sabia que esse trabalho lhe proporcionaria melhores oportunidades de carreira a longo prazo. Ele aceitou e ingressou em um curso intensivo nessa nova área de atuação.

“Em 20 semanas, você é um técnico em eletrônica trabalhando em equipamentos de bordo. Você realmente aprende o ofício”, explica Crouthers.

Aos 19 anos, o nativo de Tucson, no Arizona (EUA), deu mais um passo: a caminho de seu primeiro destacamento a bordo de um navio, se casou com Shannon, sua esposa há 26 anos. Ambas as decisões ajudaram a moldar o caminho de tudo que veio a seguir.

A habilidade de Crouthers em eletrônica e quase uma década na Marinha o posicionaram bem para as próximas etapas de sua trajetória profissional, que incluíram cargos na Cox Communications, na EchoStar e na DIRECTV, até que, finalmente, suas movimentações de carreira o levaram até Denver, para a Viasat.

Busca por desafios

Enquanto sua carreira escalava em direção à Viasat, Crouthers começou a assumir cargos de gerência. Isso significava supervisionar pessoas e também gerenciar grupos que geralmente incluíam uma variedade de departamentos – engenharia de campo, treinamento, qualidade e gestão da cadeia de suprimentos -, tudo isso enquanto trabalhava para aumentar a receita dos negócios.

Fazer malabarismos para equilibrar diversas responsabilidades não intimidou Crouthers; pelo contrário, ele descobriu que tinha talento para isso.

“Gosto muito do ambiente de startup”, diz. “Gosto do ritmo acelerado e de um pouco de caos. Então, quando tudo está funcionando e as engrenagens estão rodando bem, sinto que é hora de tentar algo diferente.”

É um padrão que ele continua seguindo na Viasat, onde Crouthers percebe que sua busca por mudanças e novos desafios tem sido continuamente atendida.

“A Viasat combinou bem com a minha personalidade”, afirma Crouthers. “Sempre fui de me jogar, e confio na empresa. Nunca tive medo de tentar coisas novas aqui porque sei que, mesmo se não for o encaixe perfeito, sempre há outros desafios interessantes na empresa para focar.”

Grandes mudanças

Crouthers começou como gerente sênior de operações de campo na WildBlue, uma empresa de internet via satélite baseada em Denver, no início de 2009 – a Viasat comprou a empresa no final daquele mesmo ano.

Em 2017, decidiu que era hora de outra grande mudança: “A Viasat estava lançando sua divisão para América Latina e decidi que queria fazer algo diferente”, relembra. “A América Latina era uma opção ótima para mim. Eu amo viajar. Foi um desafio novo, com ritmo acelerado e um pouco fora da minha zona de conforto.”

Crouthers se adaptou rapidamente ao trabalho, incluindo as viagens frequentes. E, assim como fez no passado, ele está tendo êxito ao lidar com uma diversa gama de responsabilidades.

“Nossa equipe é a principal responsável por nos instalar no México e no Brasil, sob a perspectiva do consumidor residencial”, conta. “Isso significa fazer contratações, identificar parceiros locais, incorporar nossos lançamentos nos dois países e, onde faz sentido, incorporar nossos processos padrão e equipes dos EUA. Onde isso não acontece, procuramos identificar como lidar com essas situações. Eu tive que me envolver com marketing e vendas, coisas fora do que fiz até então.”

O coronavírus interrompeu as vindas à América Latina. E enquanto ele aproveita uma pausa nas viagens e mais tempo com sua esposa e duas filhas, o trabalho do qual ele se orgulha não para.

A parte da equipe de América Latina baseada nos Estados Unidos é relativamente pequena, então nunca falta trabalho para ser feito.

“Nós nos tornamos um coringa para todas as operações; todo mundo está fazendo tudo”, explica.

Apesar disso, e mesmo com as mudanças trazidas pelo distanciamento, Crouthers sequer imagina trabalhar em outro lugar além da Viasat.

“Todo dia é um desafio. Definitivamente, não é um trabalho que tem um cotidiano definido. Você não está só sentado na mesa, virando páginas para frente e para trás todos os dias.”

“Você nunca fica receoso de ir ao escritório por causa de drama ou de conflitos de personalidade. Todo mundo é verdadeiro. Eu amo nossas pessoas, elas são ótimas.”

BackAtrás